• img
Volvo e Codensa unidos em prol de ônibus Híbridos

A imagem que se repete nos escritórios e eventos internacionais de Volvo Bus é de um veículo da marca circulando na Transmilenio em Bogotá.

Essa constância se da por que existem mais de 1.500 ônibus no sistema e o objetivo é continuar a aumentar a sua presença na estratégia de mobilidade elétrica. Para este ano, a Volvo Bus está firmando com o Distrito e com Codensa o que seria a assinatura que iria gerir energia para ônibus híbridos (elétrico-diesel).

Isso foi afirmado por Hakan Agnevall, presidente da divisão de ônibus do mundo, que disse que a Colômbia, particularmente Bogotá, é um mercado muito importante para a marca, uma vez que é um dos lugares onde há mais de 300 ônibus híbridos.

Além disso, a Volvo Bus está ansiosa para continuar a acompanhar a Transmilenio nos novos projetos e a renovação da frota. Luis Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America acrescentou que também que há interesse em participar como um fornecedor de veículos para sistemas de transporte de Cali e Medellin.

Em conversas com Codensa, que distribui 100% da energia elétrica da cidade de Bogotá, e outras partes interessadas, ficou definido como seria o fornecimento de energia para as usinas a serem construídas nos corredores onde se deslocam os veículos. Segundo Agenvall, uma das possibilidades para o projeto seria a de ônibus Volvo, em conjunto com estações de carregamento da Siemens e ABB para os ônibus e depois Codensa administrar e distribuir energia elétrica aos consórcios sistema operacional com ônibus híbridos.

O acordo deve ser estabelecido ao longo do ano e, Segundo Pimenta, a primeira dessas estruturas serão instaladas em 2016 para atender as necessidades do grupo de ônibus híbridos articulados a ser exportado do Brasil para a Colômbia, que será parte de um teste piloto para iniciar totalmente as operações em 2017.

Os gestores desconhecem o quanto poderia ser investido nessas torres de recarga e alegam que devem ser criadas modificações na lei colombiana e brasileira para definir as patentes tecnologicas e materiais a serem utilizados para a construção.

Vale ressaltar que esta estratégia de eletromobilidade é um dos negócios mais fortes da Volvo Bus no mundo, uma vez que sistemas de transporte fora Bogotá, em cidades como Estocolmo, Viena, Londres, Curitiba, São Paulo e Santiago do Chile, estão em desenvolvimento para substituir o consumo de diesel por energia limpa.
Para isto é preciso acrescentar os mecanismos legais da Colômbia (decretos 4.927, 2.011 e 2.909, de 2013) em que os benefícios fiscais se firmam para as empresas que compram ônibus híbridos e elétricos para sistemas de transporte foram classificados. Para os híbridos que estão chegando, esses incentivos fiscais se encontram em uma redução de 5% na tarifa; excluindo o IVA e renda reduzida.

Marcela Betancourt, diretora de consórcio futuro Express, que opera ônibus híbridos em Transmilenio, disse que haveria uma economia de 38% no volume de combustível e uma redução de CO2 de 75%. “Apesar de um ônibus desses recursos custar entre 30% e 32%, há uma economia no ponto de operação e o equilíbrio é alcançado pelo sétimo ano”, disse ela.
Assim, os operadores que utilizam esta tecnologia teriam oito anos de rentabilidade em sua atividade e o tempo de vida destes veículos está avaliado em 15 anos.
A verdade é que, apesar de todas as disposições contratuais a Volvo Bus ainda não deu maiores detalhes. Sabe-se apenas que os intervalos seriam necessários para recarregar, uma vez que é necessário que os ônibus não parem para recarregá-lo. Ou seja, deixar a hora do rush seria necessário para recarregar fora do horário de pico. O tempo necessário para recarregar um autocarro híbrido é de seis minutos, isso permite que a eletricidade seja usada e depois que parar o motor funciona com diesel para cada partida e até uma velocidade de 28 quilômetros por hora.
Segundo Pimenta, a idéia é que até 2020 cheguem todos os ônibus elétricos.

A solução ambiental de longo prazo nas cidades
Embora a questão das emissões de gases com efeito de estufa tenha se tornado um dos impulsos para incentivar os empresários a trabalharem com energia limpa para tráfego de veículos, os que apostam nele devem saber que ele é um investimento a longo prazo, já que as economias de combustível começa a ser percebida após o sétimo ano de uso. De acordo com Edward Jobson, gerente de meio ambiente da Volvo Bus, a rentabilidade de um ônibus híbrido não será notada nos primeiros anos, mas depois a diminuição no consumo de diesel será sentida e não terão que depender da variação de preço do combustível.

Opiniões
Luis Pimenta Presidente da Volvo Bus Latin America
“Em 2016, teremos que fazer primeira base de recarga elétrica para ônibus híbridos articulados que começarão a chegar para a Transmilenio em Bogotá.”

Hakan Agnevall, O presidente mundial de ônibus Volvo
“Codensa tem se preparado para fazer as torres de energia para os ônibus. O que pode acontecer é que eles operem a estrutura e negociem com os operadores “.

Compartilhe isso:

Sem comentários!

Deixe um Comentário